quinta-feira, 5 de abril de 2012

Pequenas vitorias, grandes alegrias

Desde o dia em que aqui cheguei, tenho procurado aprender com tudo: com os desafios, com as pessoas, com as situacoes. Minha ideia era vir para cá num formato diferente do habitual, na verdade do jeito que eu gosto. Conhecendo pessoas e lugares, me virando, enfim, vivendo uma historia.

Claro que sem as pessoas a historia ficaria incompleta e logo no meu primeiro dia de aula, com a tarde livre, la fui eu, em busca dessas historias.
Andei muito, alias, e o que mais faco aqui. Como não conhecia nada, tudo me atrai. Então, sai da escola, que fica na Canal Street e seguindo o conselho do Diretor, não peguei trem nenhum, fui a pé mesmo.

Tentei chegar a Chinatown, que fica, pelo mapa, bem pertinho, mas como meu senso de localizacao e quase zero, apelei para o meu ponto forte: Perguntar. Nesta de perguntar,encontrei um japonês perdido como eu e juntos fomos em busca de informaacoes. Conseguimos chegar ao nosso destino e, claro, eu não poderia deixar de pedir a ele para tirar uma foto minha na entrada do Bairro. Como qualquer japonês, foi simpático e tirou uma linda foto. Nos despedimos e la fui eu.

Minhas unhas estavam horrorosas, nem esteticamente, mas também elas estavam ressecadas e quebradiças. Eu já tinha percebido que aqui os salões não necessariamente cuidam de cabelos e unhas. Geralmente e um salão para cada coisa. Eu estava em Chinatown, e passei por uma infinidade de pequenos salões que ofereciam manicure, pedicure e massagem. Nem pensar em tirar, bota, meia1, meia2 para cuidar dos pés. Perguntei se poderia só fazer a mão e a simpática atendente concordou. Entrei.
La dentro, musica oriental bem suave e uma serie de mesas de manicures. Entendi que a mesmo que me atendeu na porta faria minhas unhas. Qual não foi minha surpresa quando la de dentro vem um chines alto, magro e muito serio que em seguida ocupa o lugar na minha frente.
Fiquei muito surpresa, afinal,  pelo menos para mim, não e comum encontrar homens manicures. Bem, mas ele começou com aquela meticulosidade oriental examinando unha por unha. Depois, lixou, tirou cutícula, passou escovinha e então veio o melhor: Com uma daquelas toalhas brancas mergulhadas na agua quente, como nos restaurantes japoneses, ele envolveu minhas mãos depois de passar um creme com aroma delicioso. Então começou uma massagem. Não da pra explicar a sensacao, mas mesmo sendo apenas nas mãos, senti meu corpo inteiro relaxar, inclusive os ombros, local onde acumulo todas as tensões.
Eu estava quase dormindo quando ele enxugou minhas mãos e passou para a etapa final, a pintura das unhas. Que perfeicão, ele praticamente não precisa usar acetona depois, tal o cuidado.

Ele era  muito reservado, só consegui descobrir que ele e a esposa mudaram para Nova York há um ano e meio e desde então trabalham com unhas. E um bom negocio, são diversos salões e há muita procura.
Sai de la bem mais leve. São essas pequenas descobertas que fazem uma viagem valer a pena. Pelo menos para mim.  Ainda rodei muito pelo bairro, que lembra em muito o da Liberdade em São Paulo. Eu já havia almoçado, mas fiquei  bem tentada pelos restaurantes vietnamitas. Depois segui para a Little Italy, o bairro italiano cheio de lojinhas e restaurantes. Muito legal e animado.
Depois desta peregrinacao, ainda encontrei energia para pegar o ferry gratuito para a Estatua da Liberdade. Fica num local muito bonito, cheio de gente de toda parte. Fiz o passeio, ainda tirei uma foto com uma estatua viva e depois segui para Wall Street. Foto com o búfalo, claro.

Não foi a toa que quando enfim me deitei para dormir estava exausta. Olhando no mapa, mal pude acreditar que tinha andado tanto. Fazer o que, se aqui há tanto o que ver e fazer? Tenho comemorado cada pequena vitoria, por menor que ela seja: Chegar sozinha a algum lugar de metro, conseguir encontra as coisas aqui na casa de Remie, me comunicar de forma eficiente com as pessoas , não as da escola, mas os nativos. Essas pequenas vitorias se transformam em grandes alegrias e me estimulam a seguir em frente.
Vamos adiante!




4 comentários:

  1. Tô com uma ponta de inveja!!! Esse é o tipo de viagem que sempre quis fazer, para um lugar fascinante como Nova York. Me sinto realmente viajando com você por aqui!!!

    Beijos,

    Nivaldo, seu eterno filho!!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Vânia!!! Adorei a história das unhas. Também queeero! Para mim também, o melhor da viagem é viver essas experiências e conquistas. Conquiste cada vez mais!

    Bjs, Cecília

    ResponderExcluir
  3. Queridos amigos,

    ter voces na minha bagagem com certeza faz a diferenca!
    Beijos!

    ResponderExcluir