segunda-feira, 16 de abril de 2012

Nova York: Tudo isto e muito mais

Há momentos em que penso que as coisas demoram a acontecer na minha vida. Mas, quando  reflito com um pouco mais de cuidado, constato que tudo comigo acontece na hora certa.

Eu e Remie
Hoje, muitas são as pessoas cuja primeria experiência internacional e vir para os Estados Unidos, mais precisamente, para Miami. No meu caso foi diferente. A minha primeira viagem foi para o Peru, Bolívia, depois veio Cuba. Europa. México, Europa de novo e só agora Estados Unidos. Creio que na hora certa.

Eu já  havia experimentado a juncão entre estudo e lazer na Inglaterra e a experiência foi muito boa. Quando decidi fazer a mesma coisa aqui, tinha em em mente o objetivo de conhecer este pais tao múltiplo como o nosso de uma outra forma. Assim, durante as duas semanas que passei aqui, tive aulas de inglês no período da manha e as tardes saia com uma professora para programas culturais e de lazer. Alem de turbinar meu inglês, pude realizar o sonho de estar em museus fantásticos e em lugares interessantissimos.

Como vim num sistema de ficar em casa de família, mais uma vez dei muita sorte. Assim como na Inglaterra, fui muito bem recebida e tratada. Remie, uma simpática filipina que trabalha como enfermeira, superou em muito o que era previsto no contrato, que era quarto e cafe da manha. Quase uma mãe, não me deixou faltar nada, saiu comigo inúmeras vezes. enfim, foi de uma gentileza fantástica. São anjos assim, que aparecem na nossa vida e que nos fazem acreditar que existe mesmo uma forca maior que nos proteje e orienta.

Luciana, Isa e eu na Parada da Pascoa
Ainda tive a sorte de, durante os feriados da Semana Santa, contar com a companhia de duas colegas de Banco, que estavam a serviço em Miami e que vieram para Nova York. Cada uma de seu jeito, tornaram meus feriados dias fantásticos, onde nos divertimos muito. Os sorrisos de Isa e Luciana com certeza fazem parte da galeria dos ótimos momentos aqui em New York City.

Sobre a cidade, tanto já foi dito e ela e mesmo tudo isto e muito mais. Milhares de opcoes culturais, locais a serem explorados, metro facílimo de usar, gente de todos os tipos e racas. Aqui se vê pessoas vestidas de todas as maneiras possíveis. Fiquei impressionada com os bebes, que estão em toda parte nos seus carrinhos, mesmo em shows noturnos. Creio que deva ser pelo fato dos pais não terem com quem deixa-los. Mesmo na movimentadissima Times Square, perto da madrugada, la estão eles, os bebes. Estive em dois espetáculos da Broadway, Mary Poppins e Priscilla, a Rainha do Deserto. Sai de ambos impresssionada com a qualidade e preparo físico e vocal dos atores. Espetáculo, sem duvida.

Ultima foto em NY, na varanda da casa de Remie
Como tinha  algum tempo, me arrisquei,  inclusive sozinha, em locais que não fazem parte do circuito tradicional de quem vem aqui. Estes são, para mm, momentos de uma felicidade indescritível. Fiz questão de ir ao Bronx e ao Brooklyn, ver um pouco o outro lado da cidade. 

Sobre os museus, havia momentos em que dava tristeza, pois faltava tempo e perna para ver tudo. Só no Metropolitan são cem mil pecas expostas, o que necessitaria de muito, muito  tempo. No dia em que estive no Museu de Arte Moderna, perto do final da tarde entreguei os pontos. Estava embriagada com tanta beleza e tive receio de sofrer uma overdose. Fui então levada pela minha professora para conhecer o melhor chocolate quente da cidade. Fechamento perfeito para seis tardes culturais que partilhamos durante a minha estada.

Por opcao, não estive em nenhum shopping ou outlet. Mas comprei nas lojinhas dos museus, que adoro, e em uma loja com roupas mais criativas e artesanais. Com tanta vida correndo la fora, como eu poderia me enfurnar em lojas? Concordo que a diferença de preços existe e e bem representativa, mas não foi esta a minha prioridade.

Valeu esperar tanto tempo, valeu vir do jeito que vim. Tudo valeu.




Nenhum comentário:

Postar um comentário