sábado, 13 de março de 2010

Sonho ou realidade?


Buenos Aires, maio de 2008.


Agora vou contar algumas coisas que não posso afirmar que de fato aconteceram, talvez tenha sido sonho, em alguma cama quentinha por onde dormi...

Em Puerto Varas, fui almoçar num restaurante indicado pelo dono do hotel onde fiquei. Situado no Mercado Central e especializado em frutos do mar, era muito aconchegante.
Era meio tarde, só havia eu de cliente, e foi me dando uma sensação tão boa de gratidão pela vida, por poder viver tudo aquilo, por ter saúde, paz, amigos, família.

Estava o maior silêncio...Então a dona do restaurante perguntou se eu me incomodaria se ela colocasse uma musica para tocar. Falei que não.
Ela começa a procurar numa estante de cds. Escolhe um. A voz de Mercedes Sosa preenche todo o ambiente: ”Gracias a la vida, que me ha dado tanto..."
Comecei a chorar na mesma hora...

Ontem cheguei e me alojei no hostal aqui em Buenos Aires. Descobri na Internet um dia antes de chegar a Buenos Aires este misto de albergue com casa de família. Na verdade, muitas famílias argentinas alugam quartos para turistas. A vantagem maior além do preço, é que há uma interação maior com as pessoas do local e com os outros hóspedes, pois o café da manhã é coletivo, todos podem abrir a geladeira, servir-se, trocar idéias e dicas de viagem.
De hóspedes, além de mim, duas francesas.
Fui tomar meu banho, deitei e de repente, batidas na porta do quarto.
Era a mais velha das duas francesas me chamando para tomar uma taça de champanhe, pois era o aniversario dela.
Levantei, me vesti às pressas e fui para sala.
Então ficamos as duas francesas e eu, o dono do hotel e sua esposa e o encanador.
Pois é, havia um problema no encanamento e foi chamado um encanador, um senhor de idade para dar um jeito. Brindes feitos, parabéns dados, ele (o encanador) pede para cantar um tango em homenagem a aniversariante. Gente, não é que o homem cantava mesmo?
Deu-se então o milagre: a música uniu pessoas que jamais se viram, e que talvez jamais venham a se encontrar de novo. O som daquele tango improvisado me deu a certeza de que sempre, sempre, podemos nos encantar com as belas paisagens, mas as maiores surpresas sempre virão das pessoas.

O problema no aquecimento do chuveiro acabou sendo responsável por mais um momento inesquecível da minha vida...

No dia seguinte, após andar das 10:00 às 20:00, semi morta de cansaço, fui para a minha primeira aula de tango.
A Confiteria Ideal é um estabelecimento antigo, um prédio com os sempre presentes elevadores metálicos e aqueles lustres enormes, espelhos ovais em todas as paredes, um café, um bar e música ao vivo. Além das apresentações dos dançarinos, também é possível, por um precinho bem camarada, matricular-se em aulas avulsas de tango.

Quando entrei pensei estar entrando em um cenário de filme pois tudo era lindo demais.
O que não sei dizer é se aquela que momentos depois arriscava alguns passos de tango com o professor era de fato eu. Parecia comigo, mas não posso garantir.

Fascinada, já não distinguia sonho de realidade!

3 comentários:

  1. Vania, gostei muito da sua forma de escrever. Bem leve, como uma grande contadora de estorias. Li todas. Parabéns! Elieuza.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, querida.
    Esta é mesmo a idéia: contar histórias!

    ResponderExcluir
  3. Vania, sou sua chara e subrinha da Elvira Curiel que foi quem me mandou o endereço, adorei as historias e textos , muito boa a maneira como escreve e comenta suas viajens .Compartilhar é sempre a menlhor maneira de aprendermos mais e de "dar" aos outros a oportunidade de aprender e compartilhar coisas que vivemos e consequentemente crescemos como pessoa nos tornando melhores a cada viajem ou escrita.
    Parabéns pela iniciativa.
    Vania Curiel.

    ResponderExcluir