quarta-feira, 8 de junho de 2011

Dia dos Namorados



Constantin-Brancusi-O-Beijo-1909
 
Recebi de uma amiga uma mensagem mais ou menos assim: "Que importa se eu passar o Dia dos Namorados sem namorado? Afinal, eu não passo o dia do Índio com um um índio, nem o Dia da Árvore com uma árvore  nem o Dia de Finados com um defunto..." Pode ser, pode ser, faz sentido. Mas que passar o Dia dos Namorados ao lado de um bom namorado é bom demais, isso é.


Comecei cedo a comemorar o Dia dos Namorados. Ainda não tinha quinze anos e junto com as colegas de escola, fazia mil planos para o grande dia. Cada uma de nós sonhava com o bicho de pelúcia que ganharia. Sim, pois para nós, naquela época,  não podia existir presente melhor.  O primeiro bichinho que ganhei era um cachorrinho preto e branco que balançava a cabeça. Não chegou a ser uma surpresa, pois já no primeiro namorado, descobri que se para nós, mulheres,  comprar um presente para o amado é um programa e tanto, para eles pode ser uma verdadeira tortura. Assim, para minha surpresa, meu namorado pediu que eu saísse, escolhesse o presente e avisasse a ele onde comprar. Na mesinha de cabeceira durante todo o tempo que durou a nossa história, e doado depois que o namoro acabou, o cachorrinho foi testemunha de um namoro intenso entre dois librianos. Outros bichinhos vieram, até que um dia comecei a achar que eles ocupavam espaço e juntavam poeira. Talvez tenha sido nesse momento que aprendi a levantar, sacudir a poeira -  não a dos bichos - e dar a volta por cima. Mas vamos em frente.

Tive muitos namorados, e sempre gostei de comemorar as datas importantes. Mesmo quando ouvia o insuportável discurso de "sou contra o consumismo, isso não leva a nada, é invenção do comércio e outras desculpas mais, não me abalava. Sou uma lady. Assim, ouvia e ao final colocava meu ponto de vista: Não abria mão e ponto. A comemoração acontecia. Num restaurante chique, numa pizzaria , num barzinho ou  em casa curtindo uma comidinha feita com amor, ao som de uma boa música e à  luz de velas, o importante sempre, era comemorar, curtir a sensação de amar e ser amada. Antes que as filas tornassem os restaurantes inviáveis nesse dia, adorava escolher locais especiais para conhecer e jantar de mãos dadas , roupa nova, perfume e maquiagens caprichados, claro. Acho que toda mulher faz isso. Por que? Porque isso nos deixa felizes, ora. Precisa razão maior?

 Já passei Dias dos Namorados inesquecíveis, passei outros assim assim, e vivi um que foi um verdadeiro filme de terror. O que determina a qualidade do dia, para mim, é a qualidade da relação. Não adianta fazer festa com o coração apertado, a dúvida machucando, a insegurança gelando a alma.

Este ano passarei a data sem namorado. Decidi então reunir algumas amigas na mesma situação para juntas comemorarmos a amizade. Abrirei mais uma vez os salões da minha quitinete para um almoço. Cozinharemos, assistiremos a um filme, riremos muito e a vida com certeza seguirá seu curso. Ainda pretendo passar outros Dias dos Namorados bem acompanhada. Não, não sonho mais com um príncipe encantado e dispenso os bichinhos de pelúcia.  O que quero é acordar no dia 13 com o coração ainda em festa e a certeza de que estou vivendo uma boa história.

11 comentários:

  1. ahahahahahah. Faz sentido. Com ou sem....feliz dia dos namorados.

    ResponderExcluir
  2. Ainda bem que vale a pena.
    Ainda mais que está chegando o dia de S. João e de Sto Antonio.

    ResponderExcluir
  3. Sim, coração em festa e viver boas histórias... isso dá sentido à vida !!! Gracias!

    ResponderExcluir
  4. Diz o ditado que recordar é viver 2 vezes. Melhor ainda se a gente tem boas recordações! Mas viver o novo, de novo, é ainda melhor. De preferência, por inteiro.

    Feliz dia dos namorados pra você. Sei que o meu será ótimo, voando para uma nova aventura!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Vania,


    Li,e como sempre adorei!
    E uma delicia saborear os seus textos.
    Abraços, e feliz dia dos namorados. Eu passei alguns sem namorada e comprava presentes para mim.


    Abraços,

    ResponderExcluir
  6. Vampinha, como sempre, sua sensibilidade e qualidade na escrita me encantam...Passarei o próximo dia dos namorados com o dito cujo no Rio de Janeiro,(com a mãe e as filhas) e eu cá em Salvador... mas não há de ser nada, pois já combinamos comemorar depois, no dia 13, quando retornará...concordo com você: o importante é comemorar!(mas com o coração leve, né?) Amei o texto! Amo você! FELIZES DIAS, TODOS...abreijos, Xaxinha

    ResponderExcluir
  7. Li seu texto e adorei.

    ResponderExcluir
  8. Você é o máximo!!! Só assim eu me lembrava dos tais bichinhos de pelúcia que eu também ganhei!! rsrsr...

    ResponderExcluir
  9. Olha só, eu não sabia dessa sua tenacidade em comemorar o dia dos pombinhos... veja só, sempre conhecemos um pouco mais as velhas amigas...rsss
    A princípio não refleti a respeito, mas nunca comemorei... nunca. Não tinha vontade nem via importância. Mais velha, transformei a falta de atenção com o dia em atitude consciente. Mas nunca, nenhum dos meus namorados reclamou disso... daí, hoje aos 50 anos, concluo que o dia dos namorados é data feminina... eles não tão nem aí... embarcam na onda pra agradar às amadas...

    ResponderExcluir
  10. Vânia,

    Acho que o "dia dos namorados" tem o tamanho da magia que habita o coração de cada um...
    E o seu, amiga, é incomensurável!!

    bj e feliz dia para vc,

    Josie

    ResponderExcluir
  11. Vânia querida


    Você é demais. Quanta criatividade. Adorei a ideia dessa festa, que alto astral.

    Desejo muita alegria e curtição com as suas amigas queridas.

    Abraços apertados para todas.

    ResponderExcluir